sexta-feira, 25 de setembro de 2015

E o meu boicote às normas editoriais de publicações acadêmicas e instituições universitárias continua…

É interessantíssimo que se critique tanto, no meio universitário brasileiro, os interesses das grandes corporações multinacionais e, no entanto, todas as publicações acadêmicas e a maioria das instituições às quais estão vinculadas forcem autores a adotar os formatos proprietários daquelas mesmas corporações. Por que exigem que nossos textos sejam formatados com fontes proprietárias da Microsoft (Arial, Times New Roman, etc), por exemplo, e que os mesmos sejam salvos em formatos também proprietários (.doc, .docx etc)?… Não sabem que há formatos livres?… E como as humanidades são “campos de guerra ideológica”, levo a disputa a sério, defendendo o meu direito de não utilizar fontes e formatos proprietários no mundo acadêmico. Até que mudem essas regras, continuarei a NUNCA submeter textos meus a publicação alguma que as imponha. Sempre foi assim e, enquanto eu tiver autorrespeito, continuará a ser assim…

+Gibson

O Brasil de ontem e de hoje

Gibson da Costa Em 2013, incendiaram as ruas, em protestos contra a corrupção e o descaso. Em 2014, votaram absolut...